A necessidade faz a lei

 O Lobo Guará e a Lontra


Em uma tarde ensolarada passeando imponente pela floresta o Lobo resolveu dar uma corrida em meio ao trote, o Lobo Guará pisou em uma armadilha de caçador e ficou com a sua perna presa, o Lobo urrava de dor e praguejava aos céus o seu infortúnio.


O Lobo Guará já estava a horas preso na armadilha e urrava e chorava de dor. Foi neste fim de tarde que uma Lontra que estava escondida no mato espiando o Lobo Guará ficou a meditar, se ajudava o Lobo ou não.


Afinal o castigo já havia sido dado o Lobo estava ali a um bom tempo e chorando daquele jeito não parecia assim tão ruim e perigoso, quanto o que todos os outros animais da floresta diziam. Então de um salto a Lontra surgiu de traz de uma moita e disse ao Lobo: - Senhor Lobo, não se preocupe eu irei salva-lo. O Lobo Guará ficou em silencio e a Lontra pegou um galho de árvore e fincou na armadilha, utilizando como alavanca e disse: - Seu Lobo, levante sua perna agora! O Lobo Guará levantou sua perna e se desvencilhou da armadilha, e ficou observando fixamente a Lontra, que muito contente aos pulos dizia: - Então hein, o Lobão se safou! - Eu sou o máximo, pode me chamar de SUPER, SUPER LONTRA! O Lobo com ar ponderado, disse para Lontra, em um firme e alto tom de voz:


- Lontra, primeiramente muito obrigado, mas você só tem de super, a sua super ingenuidade. Agora menos empolgada a Lontra continuava a ouvir o Lobo sentindo bastante insegurança. – Você Lontra não sabe que sou seu predador, hoje vou abrir uma exceção e não vou te matar! - Preste bastante atenção, Lontra você vai dizer a todos que lhe perguntarem que você conseguiu com muita sorte, fugir de mim. – Amanhã, será um novo dia e se você ousar se aproximar de mim outra vez, vou quebrar os ossos e arrancar suas entranhas e depois de engolir! - Agora corra o mais que puder e só pare quando ficar exausta! A Lontra em pânico, suava, mais era um suor frio e seu coração estava disparado, mesmo estando parada, derrepente a Lontra fechou os olhos e correu apavorada o mais que pode. O Lobo Guará, quando viu que a Lontra já estava bem longe se virou no sentido contrário e foi embora bem devagar mancando de uma perna, amaldiçoando aquele dia.
Moral da história: Não espere retribuição ao ajudar os mais FORTES.

Autor: Clovis Alessandro Begliomini.

Home " Viver para os outros é não somente a lei do dever como da felicidade."Filósofo: (Auguste Comite)